Araucária, 25 de dezembro de 2011

NOTÍCIAS

Professores programam ato por Nenhum Direito a Menos !

O ano acaba, mas a luta do magistério não tem fim. No dia 5, terça-feira, os professores fazem mobilização a partir das 8h30, com ato às 10 horas, no Paço Municipal. À tarde, a concentração é às 13h30, no CME, na Escola de Gestão

O ano está terminando, mas a luta do magistério não tem fim. No dia 5 de dezembro, terça-feira, o professorado faz nova mobilização. 

A concentração do dia 5 começa às 8h30min, com ato previsto para as 10 horas, na frente do Paço Municipal. À tarde, a mobilização será a partir das 13h30min, junto ao Conselho Municipal de Educação, na Escola de Gestão.

A manifestação tem como objetivo cobrar do prefeito o reconhecimento de direitos. Esta foi uma das deliberações da assembleia de 21 de novembro, no Salão da Igreja do Perpétuo Socorro.

Por que participar

Docência I

Professores da Docência I não foram reenquadrados pela promoção vertical. Apenas as progressões horizontais. O governo insiste na defesa do parecer da PGM para alegar transposição de cargo. A categoria não aceita este casuísmo.

Aposentados

Professores que requereram seus avanços regularmente, adquiriram o direito e, depois disto, se aposentaram, também não foram contemplados com o reenquadramento. Essas aposentadorias deveriam ser recalculadas para incluir as promoções e progressões e se começar a pagar com o novo valor. 

Pedagogo não é cargo técnico

Para negar às pedagogas os direitos dos profissionais do magistério, o governo passou a tratar esta função como cargo técnico. O entendimento ignora que o fazer pedagógico é ação integrada entre professores, pedagogos e todos os demais segmentos da unidade. 

Ao separar as funções de professores e pedagogos o governo fragmenta e enfraquece a educação. Busca retroagir ao conceito educacional compartimentado, anterior à Constituição e a LDB, apenas para negar a aposentadoria especial às pedagogas.

Quantidade de alunos por sala

A mobilização da tarde começa às 13h30min, junto ao CME, na Escola de Gestão. Tem o objetivo de pressionar contra o aumento de alunos por sala de aula, na Educação Infantil.

A proposta em discussão permite que se amplie de 16 para 20 as crianças de 4 e 5 anos para cada adulto na pré-escola. A medida pode vir a se estender ao Ensino Fundamental, também, se nada for feito. 

Entulhar crianças em sala de aula parece ser a política educacional do novo governo.